sexta-feira, setembro 21, 2007

Alguém tem que vestir as calças

Gordon Brown depois de saber que
o preteriram em favor de Robert Mugabe

Depois de Luís Amado responder com um tímido "por motivos óbvios", quando confrontado com a recusa do governo português em receber o Dalai Lama, agora é a vez de João Cravinho se recusar a comentar a ausência de Gordon Brown da cimeira UE-África.
Já que neste país ninguém tem "tomates" para falar e para vestir as calças, eu faço esse papel: Gordon Brown não vai porque não gostou de saber que o seu capricho "ou ele, ou eu", qual mulher traída à procura que o marido escolha entre ela e a amante! Gordon Brown e outros políticos bem gostariam de escolher o sistema de governo e também de designar as pessoas que lhes davam jeito para governar o Zimbábue e lhes fazer "favores", da mesma forma que gostariam que isso acontecesse em Cuba, etc. Como tal não é possível, fazem birra e batem o pé e a única coisa que devemos fazer é deixá-los fazer isso no seu canto.
Venha de lá o Mugabe, e deixem os meninos ingleses amuar na terra deles. Afinal, se é uma cimeira UE-África, e o Zimbábue é um Estado Africano, tem todo o direito de designar por quem se quer fazer representar, seja ele ditador, seja ele o que for.
Quem quiser, pode seguir as pisadas de Gordon Brown.

4 comentários:

Luís Rocha disse...

Vc ao menos sabe quem é o Robert Mugabe?

Pedro Sá disse...

Curiosa tomada de posição de quem acha que África deveria ser governada pelos europeus.

DJ disse...

Oh Luís Rocha... seja ele o "Hitler africano", seja ele quem for, o Zimbábue é um estado soberano e tem todo o direito de designar quem bem quiser e lhe apetecer para o representar seja onde for. Quem não quiser, que engula em seco. Se o povo do Zimbábue quiser, que se rebele. Não são os Europeus que têm que defender os interesses dos outros, em forma de gestão de negócios.

Luís Rocha disse...

Se o Pedro Sá tivesse posto um ponto de interrogação no comentário dele, seria posível eu encontrar a resposta no google?