sexta-feira, abril 04, 2008

Publicidade do Gato Fedorento ao MEO

Sim, está genial a forma como a PT decidiu reunir alguns milhões de portugueses à frente de um qualquer televisor, às 19h55m do dia 2 de Abril: prendeu o público com algo que o público quer, de uma forma totalmente imprevisível. Se no tocante à forma, o objectivo foi conseguido, no tocante à substância, o anúncio falhou. Há muito tempo que os Gato Fedorento perderam a graça. Aliás, deixei de os ver quando deixaram a SIC Radical. Não tanto por estar solidário com este canal, mas porque o tipo de humor dos Gato Fedorento esgotou-se, cansou e perdeu o fulgor que conheceu noutros tempos. Ricardo Araújo Pereira é um bom imitador de personagens como Marcelo Rebelo de Sousa, Luiz Felipe Scolari e Paulo Bento, mas não passa disso. A velha táctica de colocar homens a vestirem-se de mulheres, de senhoras idosas, o tipo saloio que assobia ao dizer os "esses", entre outras personagens "fáceis de imitar", já deu o que tinha a dar desde os tempos do Herman José! Ricardo Araújo Pereira tem uma expressão corporal que favorece bastante um humorista, mas os restantes elementos do grupo são do mais simples e vulgar que pode haver no tocante a representação. São sérios concorrentes a actores na próxima edição dos Morangos com Açúcar, de tão mal que representam e encarnam personagens.
A publicidade ao MEO continua a dar-me razão. Não consigo entender como é que muita gente ainda consegue desmanchar-se a rir de cada vez que ouve algum destes quatro elementos a fazer recurso do seu habitual, desgastado e mais que limitado vocabulário. Palavras como "abichanado" e "xixi", ou expressões como "problemas da próstata", são algumas das expressões mais que batidas, que começaram a perder a graça perto do final do "Tal Canal", que remonta a 1984. Estamos no século XXI e humor sério e inteligente exige-se. O dos Gato Fedorento não é, definitivamente, esse tipo de humor. Já foi, mas deixou de ser.
Os Gato Fedorento são uma representação fiel deste país tolo: os portugueses não se riem destes quatro elementos por terem graça, mas porque são eles a dizê-lo. Seja lá o que for que digam, as pessoas desmancham-se a rir. São tolas! Recordo-me da ida dos Gato Fedorento à Faculdade de Direito de Lisboa em Março de 2005. Belos e saudosos tempos. A primeira coisa que me vem à mente, além da total disponibilidade, simpatia e paciência do grupo para com todos os que os abordaram, é o facto de Ricardo Araújo Pereira ter dito "olá", e todo o anfiteatro se ter desfeito em riso! Imagino como seria se tivesse dito "quero ir fazer xixi". A casa ia abaixo! Pergunto: será isto humor? Será isto ter verdadeiramente graça? Ponham os olhos num "velhinho" Seinfeld. As coisas com que Seinfeld satirizava equiparam-se, ainda que jamais se possa fazer uma verdadeira comparação, com o início dos Gato Fedorento, onde alguns dos seus sketches eram uma sátira a episódios da vida real. No entanto, o seu discurso do "ah e tal..." já cansa, já caiu em desuso, já teve melhores dias. Mas o povo... continua a rir só de ouvir Ricardo Araújo Pereira, ou qualquer outro "Gato", dizer coisas como "comprem o MEO". É por estas e por outras que troco todos os programas dos Gato Fedorento de há três anos para cá, por uma qualquer crónica de Ricardo Araújo Pereira na Visão: aí sim, ainda há alturas em que tenho autênticas barrigadas de riso. Comparem os conteúdos dos Gato Fedorento na televisão e de RAP na Visão. Incomparável. O tipo de humor é radicalmente diferente. Porém, há que não esquecer que o povo é tolo, e tem este tipo de humor, porque o alimenta. Parem e pensem duas vezes sobre o conteúdo das coisas que vos fazem rir. Se prestarem atenção, vejam o quão estupidificado o povo começa a ser: entra em coma de riso só porque alguém diz "xixi" ou "abichanado".

2 comentários:

João Tudela disse...

O que ja está fora de moda é este discurso. Venho a este blog há muito tempo para ler o que aqui se escreve. Não só porque é de "pessoal" da FDL mas também porque gosto daquilo que leio. Hoje, ainda assim, discordo.

A ti cansa-te que o povo se ria das palavras "xixi" e "abichanado". Ora a mim cansa-me o discurso do "antigamente é que era. Eu sou Old School e só os via na Sic Radical. Depois quando o pessoal começou a ver ficou muito batido para mim." É um bocado este o teu discurso.
Faz um bocado lembrar o anúncio da "chipmix" do "quando estava na moda ser surfista já eu tinha partido para outra".

Existem vários tipos de humor e tu melhor que ninguém - porque és um tipo que até diz umas piadas porreiras - sabes disso. Mas é preciso olhar para as coisas com atenção. Quando o Gato-Fedorento foi para a RTP, na série "Lopes da Silva", o nível/tipo de humor manteve-se. Quando se criou a "Diz Que É Uma Espécie de Magazine", os "Gato" entraram noutro conceito exactamente para não cansar o espectador, mas não só. Também é necessário lembrar que aqui, já estava na moda dizer "estes tipos já não têm piada".

Agora, criticar o humor dos Gato quanto a anúncios é estupidamente ridículo. Se calhar achas que quem os contrata diz "digam o que quiserem". Aliás, ao referires que o RAP te consegue fazer chorar a rir na Visão estás a admitir que ele ainda tem um nível fantástico.

Na Sic Radical tinham outra liberdade para fazer o humor deles. Como é obvio no "Diz que é uma espécie (...)" eles não tinham essa liberdade, pois caso contrário não os poriam em horário nobre. A estação deu a Portugal o que Portugal queria: Uma espécie de "Contra-Informação" com os "Homens do Momento".

Veremos agora na SIC qual é o formato que os Gato nos vão apresentar. Eu também prefiro o formato da SIC Radical, mas não sou "fashion-victim enough" para dizer que só por eles já não fazerem o mesmo tipo de humor, perderam a piada, passaram de moda. Abraço

DJ disse...

João,

gostava de afastar a ideia de ser um defensor do "antigamente é que era" ou "sou muito old school". De facto, tudo tem o seu tempo, e existe um certo saudosismo quando recordo o passado. No entanto, creio que estamos aqui a chocar em gostos. Perdi o interesse por Gato Fedorento desde que saíram da SIC Radical. Não por terem saído deste canal, mas porque o tipo de humor era, de facto, diferente daquele com que hoje presenteiam o público. Tu, pelos vistos, continuas a gostar do tipo de humor deles. Tudo bem, é legítimo. São gostos. Eu não gosto e não consigo achar piada. Mas... atenção às crónicas do RAP na Visão! Essas continuam brilhantes! Pena também terem deixado de escrever para o Inimigo Público.

Abraço.