quinta-feira, agosto 24, 2006

Mais Listas

Aproveitando a onda de publicação de listas, o Governo - através do Ministério da Saúde - publicou no Diário da República de dia 11 de Agosto as listas de subsídios concedidos a organizações não-governamentais, instituições particulares de solidariedade social, misericórdias e entidades profissionais. O total dos subsídios ascende a 71,2 milhões de euros e teve como principais beneficiários a prevenção da toxicodependência e da SIDA.
A maior parte destas organizações entendem como prevenção da SIDA a cedência de preservativos. Até aqui tudo bem, e pergunto-me se se gastará assim tanto dinheiro em preservativos. Já quanto à prevenção da toxicodependência, devo pronunciar-me no sentido de dizer que estes subsídios concedidos são fundo perdido a nível financeiro e a nível de objectivos. A nível financeiro, porque o retorno que se obtém destas operações é 0. A nível de objectivos porque se o objectivo é prevenir a toxicodependência, não é com a cedência de seringas, tratamento de toxicodependentes e outro género de acções, que a prevenção é feita. Prevenir, é tomar acções necessárias a impedir que um certo fenómeno aconteça ou, a acontecer, os seus efeitos tenham o menor impacto lesivo possível. Será que "estoirando" milhões de euros em seringas é prevenir o que quer que seja? Não me parece. Pelo contrário. Alimentam o vício. Pagar o tratamento dos toxicodependentes também não é prevenção, é remediação (caso o tratamento seja a desintoxicação). Acções de prevenção de droga são o combate à distribuição da mesma e o seu tráfico. Impedir que a mesma chegue aos viciados, e àqueles que ainda não o são. Estas organizações não estão a cumprir os objectivos traçados e recebem milhões de euros para não resolver grande coisa. Trocam umas seringas, pagam uns tratamentos a uns tipos que, na sua maioria, mais tarde ou mais cedo voltam ao vício, e com isto se estoiram uns milhões do Estado. Algumas destas organizações dizem que gastam grande parte do montante com psicólogos e técnicos. Técnicos de quê? Que fazem eles para merecer ter um salário superior a 1000 euros? E os psicólogos com salários superiores aos 1300 euros?
Mais uma vez se vê a má gestão que é feita pelo Estado e a canalização do dinheiro dos nossos contribuintes é muito mal feita.

3 comentários:

Andie disse...

A troca de seringas serve para evitar o problema das doenças contagiosas através do sangue (como a SIDA e Hepatite B, sendo essas as mais importantes e comuns nos toxicodependentes). Concordo contigo, a isto não se chama prevenção da toxicodependência. Chama-se prevenção da SIDA ou da Hep B. :-) Muitos dos técnicos que trabalham nestes postos de troca de seringas são jovens voluntários que recebem uns "trocos" pela sua disponibilidade (trocos que servem para pagar deslocamento e refeições). Portanto a verdadeira questão que se põe é: para onde vai o dinheiro todo? Será que se gasta assim tanto em material de saúde? Eu acho que não.
Concordo contigo, acho que o Estado subvaloriza o trabalho das instituições de segurança que realmente ajudam a prevenir a toxicodependência (pelos meios que referiste). Mas vivemos numa época em que a solidariedade social é muito mais valorizada.

DJ disse...

Mas eu não me referia à prevenção da SIDA/hepatite B. Referia-me à prevenção das drogas. Não vejo obra nesse campo.

RICARDO PITA disse...

Existem fundos e boas intenções, na prática resultado é 0. Salas de xuto também não resolvem o problema