quarta-feira, agosto 30, 2006

A campanha de troca de seringas nas prisões

O Governo pretende avançar com a campanha de troca de seringas nas prisões. Esta iniciativa, como seria de esperar, tem um bom fundo, que é combater a transmissão do vírus da SIDA e da Hepatite entre os presos, dado que, como não têm recursos para obterem seringas virgens, servem-se das dos colegas de cárcere para matarem o seu vício. Sem dúvida que, relativamente aos vírus mencionados, a prevenção tende a ser um sucesso, porque diminuirá o número de contaminados com os respectivos vírus.
A questão que faço, é: será que se justifica uma medida destas "apenas" para prevenção de transmissão dos vírus? Creio que não. Por diversos motivos, a saber: com tantos milhões de euros que são concedidos a organismos de prevenção e luta contra a droga, agora disponibilizam-se meios aos viciados para poderem ter "de uma forma saudável" acesso à mesma? Já abordei este tema aqui no Bar Velho e creio que a questão é pertinente. Decidam se querem lutar contra a droga, ou facilitar o acesso à mesma. Depois, disponibilizar seringas aos presos, é disponibilizar uma arma que podem utilizar contra guardas prisionais, reclusos, médicos, ou outros com quem contactem. Logo, esta medida do Governo, pode colocar em perigo a vida e/ou a integridade física de terceiros. A campanha de troca de seringas nas prisões transformará, ainda, os estabelecimentos prisionais em autênticas salas de chuto.
Afinal o que são as prisões? Lugares de alimentação de vícios, em que o Estado ainda facilita o seu consumo? Devem existir, sim, sanções que punam quem se drogue nos estabelecimentos prisionais, quem transmita seringas que foram por si utilizadas, a terceiros, quem "oriente" droga, e tudo o que possa aumentar a possibilidade de consumo e acesso à droga. Logo, esta medida está longe de poder combater a toxicodependência. Pelo contrário, demonstra uma certa resignação do Governo face ao problema das drogas, como que aceitando que o vício existe e nada há a fazer. Até pode não haver nada a fazer para eliminar o problema, mas há algo a fazer no que toca à diminuição do consumo e acesso a esta praga. Caso haja essa resignação, então que o Estado poupe os milhões que desperdiça nos subsídios que concede e canalize esses fundos para outros lados.

4 comentários:

RICARDO PITA disse...

como podem querer acabar com a droga nas cadeias se fornecem as seringa? acabem mas é com o tráfico que envolve tambêm guardas prisionais e funcionários...

RICARDO PITA disse...

é uma demonstração de impotência contra o tráfico de droga dentro das prisões

Joana disse...

Também acho que o Governo não optou pela melhor via. Minorar um problema não é resolvê-lo.
E já agora, porque é que os toxicodependentes têm acessso gratuito a seringas e os diabéticos não?

DJ disse...

A Joana levantou uma questão bastante pertinente sobre a cedência gratuita de seringas a toxicodependentes e a diabéticos não.