terça-feira, setembro 05, 2006

Matemática: a Solução

Numa altura em que toda a gente se questiona sobre a taxa de (in)sucesso da Matemática em mais um ano lectivo, cabe-me expor alguns vértices de orientação para solucionar este problema:
- o ensino da Matemática não é a forma mais atractiva nem cativante; porque não analisar a forma de ensino da Matemática nos países com maior índice de sucesso da mesma disciplina e tentar seguir esse modelo?
- o ensino da Matemática, nas faculdades, aos futuros professores de Matemática. Poderá estar aí o calcanhar de Aquiles. Se os professores não têm a melhor formação, não esperem que ensinem bem aos seus alunos.
- o ensino do ensino da Matemática. Poderá ser daí que vem o problema também. A um professor não basta saber, tem que saber mostrar aquilo que sabe.
- preguiça dos alunos com algo que é complicado e não se compara às outras cadeiras. Aí trata-se de um exercício que cada um deve fazer consigo próprio, se nos outros três pontos estiver tudo bem: dedicação e motivação. É sabido que cada vez mais se procura o facilitismo. Uma coisa é a Matemática ser difícil. Outra é a Matemática ser mais difícil do que já é, porque não apetece estudar tanto como se estuda (estuda?) para as outras disciplinas.

Creio que nestes quatro pontos estará o cerne do problema.

4 comentários:

RICARDO PITA disse...

Um tema que merece uma
profunda reflexão a nível nacional.
tive matemática até ao 12º ano e penso que o problema está no facto de n bastar um professor ter conhecimentos, é preciso saber transmiti-los.
mts profs n sabem descer ao nível cognitivo dos alunos p comprrenderem a forma como eles não interpretam os problemas

Ricardo Bernardes disse...

Deixou-nos algumas linhas de reflexão interessantes. Na minha opinião, apenas de acrescentar que, sendo a matemática uma disciplina essencialmente pática, baseada em exercícios, implica uma relação de maior proximidade entre o professor e os alunos, para que este os possa acompanhar mais de perto. Nesse sentido seria interessante que fizessem turmas mais pequenas ou então se trabalhasse num sistema de desdobramento de turmas nessa disciplina.

Andie disse...

Exacto, concordo com o comentário acima, era mesmo isso que ia dizer, o 5º ponto crucial para que o ensino da matemática funcione também passa pela organização de turmas com menos alunos. Aliás, isso é um ponto crucial em qualquer disciplina. Vejo pela minha mãe que toda a vida ensinou e quando apanha um ou dois alunos preguiçosos e provocadores, é o suficiente para destabilizar salas de 30 alunos. Relacionado com o ponto 4 também está o constante declínio da educação cívica com que os alunos aparecem nas escolas, com a agravante de que os alunos "calões" e arrogantes cada vez são mais por essas aulas fora. A arrogância é muitas vezes impeditiva de um esforço continuado do professor para que consiga alterar a atitude desinteressada do aluno face à disciplina.

L disse...

Bem, este é mais um comentário que o 'Xandrinho vai apagar, mas enfim.

É realmente impressionante como consegues falar de tudo, 'Xandrinho. Até de matemática, não sabendo tu sequer a tabuada dos 3, nem tendo, aliás, nenhuma noção de pedagogia. Aliás, este deve é ser mais um post reaccionário em resposta a te ter feito reparar que, apesar dessas bazófias todas, és um marmanjo numericamente iletrado. Já nem sublinho o facto de escreveres pior que a média dos advogados, e que certamente não deve ser pela tua prosa nas peças que os juizes te irão deixar ganhar casos.

Ou seja, és uma pessoa que não sabe nada sobre quase tudo, mas sobre tudo opinas como se desconhecesses quase nada. Ganha juizo e fica-te por aquilo que dominas (mediocramente): uns codigozitos bafientos escritos por marmanjos andropausicos com falta de sexo e consciência moral. Que é o que tu também és, 'Xandrinho Xoninhas.